Notícias do mercado imobiliário

Lançamentos imobiliários crescem 10,3% em Curitiba. Saiba os preços médios

O ano de 2017 foi o primeiro, desde 2011, a registrar aumento de
lançamento em comparação com o ano anterior, contabilizando alta de 10,3% em
empreendimentos (32 no total) e de 48,7% em unidades lançadas (2.244 no total),
e as perspectivas para 2018 são de retomada do setor. Os dados são do Perfil
Imobiliário 2017, estudo anual realizado pela Associação dos Dirigentes de
Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi/PR) e pelo Sinduscon-PR, em
parceria com a BRAIN Bureau de Inteligência Corporativa, que traça o panorama
dos lançamentos imobiliários em Curitiba, geral e por região, e da Região
Metropolitana.





“Esse crescimento foi profundamente impactado por unidades de menor valor,
incluídas no programa Minha Casa Minha Vida. Assim, pode-se dizer que houve
consumo de imóveis em estoque em Curitiba. De cada 100 apartamentos disponíveis
na cidade, 47 são de prontos. Entretanto, os alvarás liberados registraram
queda de 30%, indicando que o construtor está cauteloso quanto aos lançamentos
e ainda em fase de redução do estoque ”, analisa o presidente da Ademi/PR,
Jacirlei Soares Santos. A Região Norte teve o maior número de alvarás para
construção liberados em 2017 (687 unidades), seguida da Linha Verde (566
unidades) e da Região do Ecoville/Champagnat (458 unidades).



Os apartamentos
novos com preços de R$ 215 mil a R$ 700 mil são os com a menor quantidade de
imóveis para a venda em Curitiba em relação à oferta, da ordem de 20% (3.305
unidades). Entre os bairros, o Centro é o que detém a maior oferta lançada
(3.494 imóveis), seguido de Ecoville (2.848 imóveis) e do Portão (1.898
imóveis). Juntos, esses bairros são responsáveis por 36% dos imóveis colocados
à venda em Curitiba. O Capão da Imbuia não tem estoque de apartamentos novos, o
Atuba tem apenas uma unidade e o São Lourenço tem duas, registrando os menores
índices da cidade.



O preço médio
do metro quadrado privativo para os apartamentos novos em Curitiba chegou a R$
7.090,00 em setembro desse ano, alta de 5,7% em relação ao mesmo período do ano
passado, bem acima da inflação, que ficou em 2,5%. O maior preço médio por
metro quadrado privativo praticado em Curitiba é para os apartamentos novos de
quatro quartos na Região do Batel (R$ 11.409,00) e o menor é para as unidades
de dois quartos na Região Linha Verde (R$ 4.290,00).



Quanto aos
itens que mais impactam na escolha do imóvel para compra em Curitiba, o
sócio-diretor da BRAIN Bureau de Inteligência Corporativa, Fábio Tadeu Araújo,
ressalta que segurança do empreendimento e do bairro estão no topo da lista,
seguidos por localização e preço. “Isso está relacionado ao aumento da sensação
de insegurança nos últimos anos por quem mora na cidade. Por isso, os novos
empreendimentos devem priorizar esse item desde a concepção do projeto”,
destaca.



Horizontais e
RMC – Ao contrário do mercado de apartamentos novos, o presidente da Ademi/PR
diz que os empreendimentos de terrenos e casas em condomínio fechado em
Curitiba, assim como os lançamentos na Região Metropolitana de Curitiba, foram
os que menos sofreram o impacto da recente crise econômica.



“Na Região
Metropolitana, essa resiliência deve-se ao fato de o mercado ter como foco a
habitação popular. Hoje, Fazenda Rio Grande é o município que absorve a demanda
de Curitiba por habitações no Minha Casa Minha Vida, em função da inviabilidade
de lançamentos na cidade pelo alto custo dos terrenos. Já no caso dos imóveis
horizontais, essa menor volatilidade é a assegurada pela baixa oferta de
imóveis para a venda em Curitiba”, avalia Soares



Os dados do
Perfil Imobiliário em 2017 revelam que, em termos de oferta, há uma equiparação
na oferta de casas e terrenos em condomínio fechado em Curitiba. Entretanto, os
lotes de terreno correspondem a 70% do mercado de imóveis horizontais na
capital.



Os bairros
Santa Cândida (502 unidades), Tatuquara (286 unidades) e Santa Felicidade (285
unidades) são os que apresentam a maior oferta de terrenos em condomínio em
Curitiba. Já os bairros Abranches (156 unidades), São Lourenço (140 unidades) e
Uberaba (115) apresentam a maior oferta de casas em condomínio.



Na Região
Metropolitana de Curitiba, os empreendimentos formados por apartamentos com
preço até R$ 400 mil correspondem a quase 90% do mercado de lançamentos
imobiliários (127 edifícios e 11.558 unidades). Os municípios de São José dos
Pinhais (5.067 unidades), Campo Largo (3.040 unidades) e Colombo (1.262
unidades) são os que apresentam a maior oferta lançada de apartamentos novos e,
respectivamente, o maior volume de imóveis em estoque.



Perspectivas
para 2018 – O presidente da Ademi/PR, Jacirlei Soares Santos, acredita que há
sinais importantes que devem promover a recuperação do mercado imobiliário em
2018, como a melhora da confiança empresarial, crescimento na economia e
redução da taxa de juros, com reflexos no crédito ao consumidor e em captação
de investimentos para o setor. “Acredita-se que parte da redução dessa taxa
implicará em juros menores de financiamento imobiliário, expandindo o mercado.
Alguns setores também dependentes de crédito, como o setor automobilístico, já
mostram reação, atendendo uma demanda reprimida de consumidores”, opina.



Para Soares, o
mercado residencial é o que deverá puxar a retomada, especialmente em Curitiba,
“Tal fato se deve à dinâmica demográfica, muito forte na cidade, impulsionando
a demanda residencial e mantendo uma certa demanda latente por habitações que
sejam compatíveis com a renda e a necessidade e desejos da compra. Já no
comercial, a recuperação está intimamente ligada a um maior aquecimento
econômico e redução do estoque”, analisa.



Apesar dos bons
indicadores do cenário econômico, o presidente da Ademi/PR diz que, por se
tratar de um ano com eleições presidenciais, a política é que vai ditar o ritmo
em 2018. “A exemplo de anos anteriores, nessa situação, a atitude mais
previsível é de cautela. Cautela, não estagnação. Esse talvez seja o maior
ensinamento recente para o mercado imobiliário: o setor opera em ciclos e,
entre altas e baixas, existe toda uma área de transição permanente formada
pelas pessoas e famílias que precisam de um lugar para morar”, argumenta.



Regiões com o
maior preço médio do m² privativo de apartamentos novos em Curitiba



1 quarto –
Região do Ecoville/Champagnat – R$ 8.289,00

2 quartos – Região Central – R$ 8.052,00

3 quartos – Região do Cabral – R$ 8.068,00

4 quartos – Região do Batel – R$ 11.409,00



Regiões com o
menor preço médio do m² privativo de apartamentos novos em Curitiba



1 quarto –
Região Norte – R$ 4.503,00

2 quartos – Região Linha Verde – R$ 4.290,00

3 quartos – Região Linha Verde – R$ 4.458,00

4 quartos – Região Sul – R$ 7.272,00

30/12/2017

Últimas notícias